quinta-feira, 19 de março de 2009

tempo de ser !

Queria pedir-te perdão
tempo
Talvez até dar-te razão
Mas não te tenho
Sabes tempo ?
Não te guardo, logo a ti
Raro
Vivido e perdido
Dividido
Caro
Quase esquecido
Como poderia eu então ?
... tempo,
Fazer-te dentro de mim
Eternizar-te
Em bocados de amor
E olhares de perdão
Que raro, que caro
Assim tu parado
Lembrado
Que vivo sejas
Enquanto de ti
Me queira lembrar
Perdoa-nos
tempo perdido
No medo da morte
De quem esqueceu
O tempo seu
O tempo de se ser
Sendo tu tempo
E sendo eu

10 comentários:

Mag disse...

O tempo... que tema delicioso!
Gosto como brincas com as palavras até que se encaixem assim, em sinfonia perfeita...

Anônimo disse...

Cara, o qu´é qu´é isso? Que poema!!!!

Seu tema “Tempo de Ser, é o dilema de todos nós, alguns mais que outros...
todo o dia nós o perdemos e nos perdemos, com coisas e com pessoas inúteis...

Hoje mesmo estava lendo seus post´s e pensei, que homem é esse que escreve tanta coisa bonita interessante e que bem?

Mas que pouco se está valorizando com pessoas que o visitando mais não fazem que babar, qual bêbê nascendo dente, está na cara, que estão babando em você, quem sabe nem o percebem...Porque não colocam seus comment´s quando posta temas mais controversos, para os quais é preciso saber o que está se passando, do nosso lado, no mundo?

Pergunta para as meninas se entenderam sua mensagem? quem sabe não vão dizer: bem... uhmmm...pois...qu´ é que você estava falando mesmo?...

Você suspira... logo todo o mundo grita se descabelando: nossa fantástico!!!... maravilhoso!!!.....Ele disse um ai, que beleza!!!....

Se fosse homem é dizia vai encher seu saco, cara... como é mulher, não tem jeito né??

Cara, que tempo jogado fora , será que não está mais enxergando, do pouco valor que se está dando se satisfazendo com o qu´é futil...

Quem sabe até, não será mesmo “tempo” de você olhar bem lá no fundo...ver seu imenso valor, pelo o que escreve mais também pelo o homem que você é, e se parabenizar pelo que já fez, construiu, está sendo, fazendo, construindo e ira fazer usando seus recursos... Aí talvez, enxergue quanto está perdendo com coisas voláteis...

Há um tempo para tudo até para crescer, com nossas experiências, sucessos e fracassos, alegrias e tristezas, bem e mal que fizemos, fazemos, mesmo sem darmos conta, que nos fazem e com seu retorno...este sim não é tempo jogado fora....

Inté mais ver

Anônimo disse...

Gerir emoções é sempre complicado e complexo por um lado mas um mundo do mais fascinante que a vida nos ´proporciona por outro...

Não são dados adquiridos, ninguém os tem em determinadas altura da vida é uma aprendizagem que vamos fazendo até ao fim dos nossos dias...

O tempo, distância, silêncio fazem parte dessa aprendizagem, é importante esse tempo...dá-nos uma maior compreensão das nossas emoções...

Se comparares o que sentes e escreves hoje com o que escrevias ontem...talvez não te reconheças... faz-nos focar a atenção, precisamos desse tempo para nos distanciarmos o suficiente dos nossos sonhos, desejos, objectivos...sem esse tempo não teriamos espaço para crescer...

A doença é grande parte das vezes, resultado de um desequilibrio no campo psicofísico produzido por emoções conflituosas...as emoções perturbadoras podem debilitar o nosso bem estar e saúde, o cérebro regula as emoções, as actividades eléctricas ao nível do cérebro estão correlacionadas com as expressões e outras formas de avaliar os nossos estados de animo mentais...

O stress afecta o corpo, pormenoriza as bases biológicas do impacto das emoções sobre a saúde.
Há emoções que curam, para isso o cultivo de emoções positivas é essencial ao nosso bem estar... Resolver e afastar o que não nos faz bem e aproximar aquilo que nos anima...

Aprender a equilibrar as nossas energias em algo que nos realize, que seja real, para alcançarmos melhor objectivos.
Perceber e aceitar que não desejamos todos o mesmo, nem podemos ter sempre o que imaginamos ou desejamos...

Somos uma fonte de energias positivas e negativas...
O valor das coisas é só aquele que lhe quisermos dar, sem nos apercebermos, podemos prender ou bloquear as energias uns dos outros em sofrimentos(des)necessários... que com o tempo, percebemos que na realidade nunca tiveram razão de ser...

O amor está nos nossos sentidos
Se falo na natureza não é porque saiba o que ela é...mas porque a amo e amo-a por isso.
Quem ama, na realidade, nunca sabe o que ama, nem sabe porque ama, nem o que é amar...
Amar é a eterna inocência, é a única inocência não pensar...

As relações têm de ser espontâneas, partir de uns para os outros naturalmante, para terem um significado genuíno, não podemos forçar ou culpar nada nem ninguém...sob pena de se tornar algo de obrigatório ou mórbido...

A amizade revela-se na nossa capacidade de compreensão e apoio á posição ou situação do outro...
De contrário a nossa atitude torna-se uma afronta á verdadeira amizade...

Isa

redjan disse...

anónima: a liberdade ou o apreço por ela e pelo seu uso, que transmites em tua análise e comentário ... dá que pensar. No meu caso, nem babo nem desbabo com quem me lê... Escrevo porque me sento e penso... e gosto. Quanto ao uso dado às letras por quem me lê... cada um é livre de pegar em palavras e vesti-las como quiser. Ou não...

isa: que análise !!

Pronúncia disse...

Nunca lhe damos importância, dizemos sempre que nos falta... mas, como tu dizes, é precioso! Deviamos aproveitá-lo bem melhor.

Obrigada pela visita e pelo comentário lá no meu espaço :)

Anônimo disse...

Se quiser entender meu comment, pelo lado da liberdade ou ausência dela, é livre de interpretar como melhor lhe convém...

Você é um cara inteligente e percebeu o alcance... ou não...
Lembra do tema? “Tempo de ser”...

Abraço
um detalhe sou homem)

Ana GG disse...

Estou de passagem, é que estou sem tempo!
"Descabelada" e apenas com o propósito de largar a minha baba...que poema!!!!!!

bjo

Anônimo disse...

Anonimo: Obrigado por falar a este cara o que faz tempo que estou tentando lhe dizer.

Isa: As suas palavras parecem tiradas de minha boca.

I.

Anônimo disse...

Valeu, RED!!!!

Abraço

XR disse...

"Sendo tu tempo
E sendo eu"

Um dos que perde
dos que te perde
como areia
na fina ampulheta
na palma da mão
me foges, ó tempo
que trago comigo
mas não em mim
na mão, ao peito,
à cintura
tempo, o tempo
que perdura
fora, além, para além
de mim
Até ao tempo
em que chegar
o meu tempo
de partir
---§---
Já te devia esta visita há semanas, John ... tempo, tempo demasiado que se gasta e desgasta, que usamos e nos foge como tanta coisa de que abusamos, tempo devido como a vénia, que era tua por direito - e a tempo;mas como só está fora de tempo o que não chega a tempo e isso só acontece quando chega o tempo dos outros ou o nosso, acho que ainda cheguei a tempo de te comentar decentemente ...

Beijinhos! ;)