sexta-feira, 11 de abril de 2008

NY ... de novo !



Não me canso daquele lugar. Lugar de gente, de todas as gentes, de coisas, todas as coisas, de vida, todas as vidas, mesmo as que nunca acontecem.
Chego pelo PATH à estação do WTC, saio à rua e vejo-me no ground zero, viro à direita pela Church St. de novo à direita nos semáforos com a Liberty e tomo o pequeno almoço num lugar por ali logo, por onde andaram bombeiros e outros socorros naquele dia que ali não passa ao lado, dali nunca sairá. É um tipico sitio de ' american breakfast ' este lugar que gosto mesmo, tem tudo e de tudo, ovos e baked beans, donuts, pancakes, muffins & derivados, café em barda, sumos e outros. E tem um tal de Mocha Java, coisa batida de café, banana e chocolate, gelado ' comme il faut '! Os pedidos de mil combinações calóricas, alimenticias e de fraco fervor dietético são ao ritmo da actividade bolsista tipo Wall Street, de ordens gritadas e apanhadas no ar, parece que ninguém se governa mas no fim nada falha, berrou quem podia, ouviu quem necessitava, tudo está lá... no tabuleiro, é pegar, seguir e sentar ! Assim faço então ... no meio de todos e de ninguém , no meio do mundo e em mundo meu ! Adoro isso em NY, todos temos um bocado nosso, um caminho nosso, algo que ninguém cobiça, rouba ou invade, a liberdade de por ali se ser, sonhar, olhar, sentir, VIVER !! Dali saio, café na mão, cigarro noutra, pronto para um dia de cheiros e olhares novos, as mesmas ruas e avenidas num dia de as ver de outro jeito, as mesmissimas pessoas, novissimas pessoas, pessoas, lugares de arranha céus, semáforos, grafitti's, táxis, molhos de gente que atravessa em passadeiras de boneco verde ou encarnado, numa comunhão espiritual com os carros, que lugar algum do mundo tem que se compare, a eterna buzinadela ' honk ' de tamanho e sonoridade de marca registada que nos lembra onde estamos, cidade que nos cruza com um longo cardápio de judeus, brancos, altos, gordos, transparentes, negros, muçulmanos, budistas, junkies, pernas altas, hindus, pernas curtas, yuppies de ténis, gente que no chão se senta, pets que mendigam o dólar da sobrevivência, e elas de ténis também, gente que tripa em viagens de ácidos novos, em loucuras de cores e paredes que mexem e os agarram, como monstros gigantes, música em todo o lado, silêncio onde quiseres, gente que pede, que dá, que olha, que escuta, a ti e outros deuses, gente que morre e se vai em sirenes que os buscam, lugares onde páras e te sentas em minuto teu de NY, a luz e aquele cheiro, aquela esquina eterna onde viras ou te perdes. O mundo mandou para lá representantes seus, em NY há de tudo e toda a gente, a que vive e sonha, ou morre sem ousar, os de preto e os das flores, até o Divino por lá se faz ver .... Percebemos isso quando entramos ... e parece que nascemos de novo . Amo de facto aquele lugar .... Por lá existem as gentes ... ainda que não o queiram ou saibam !!

11 comentários:

Clarice disse...

NY, só lá estive uma vez com as Twin Tours a fazerem-me crer o lugar mais seguro do mundo... onde comprei o que não havia cá...
O que mais gostei foi mesmo de sentir essas "gentes" que escreveu aqui tão bem e que me fez sentir lá...

Clarice

blimunda sete luas disse...

Que inveja!...

Boa estadia!

ARTUR GUILHERME CARVALHO disse...

Quando estivermos perdidos na floresta dos tubos, a meio caminho de tudo terminado...teremos sempre New York. Gandabraço
ARTUR

Maria Manuela disse...

Nem sei como foste capaz ....

Partir para NY sem dizer nada .....
sem um convite....


Shame on you...

Bjo

Carlos Lopes disse...

Nunca estive por esses lados. Achas que um dia dá para me levares na mala, ou coisa que o valha?

Vitor disse...

...Com essa descrição...tambem lá estive...transportas-nos em tua escrita.

Abraço

ze ceitil disse...

Lá mais para o Verão desafio-te para uma corrida de bicla no C. Park...
Abraço

STAR disse...

Jan foi um prazer partilhar o Moccha Java e todas as calorias alimentícias, ainda que não tenhas querido disfrutar de um tão mais elitista Balthazar no meu querido SOHO.
Não deixei de reparar na foto que tiraste do gato que se presenteava aos transeuntes na 5ª avenida, pois também a mim me chamou à atenção.
Temos que combinar um outro brunch em NY, nem que seja daqui a dois anos. E vais ver que as obras do Ground Zero vão estar paradas exactamente no mesmo local onde as vimos, excepção feita a um ou outro monte de rocha que deslocam de um lado para outro, tentando dar uma sensação de árduo trabalho à boa maneira hollywoodesca. Porque será que todos os trabalhadores das obras no Ground Zero são altos e louros????E estão no café às 10:30h da manhã??? Talvez por isso 7 anos não chegue para saír daquele buraco...e ainda falam da produtividade nacional!!
Ab
STAR

Pantalonas disse...

Estou farto de tomar o pequeno almoço nos sítios do costume. O senhor importa-se de me dar a morada desse paraíso das "panquecas".
E vão dois para o passeio de bicicleta.

Daniela disse...

Tens noção de que és um sortudo, não tens? Beijinho

redjan disse...

clarice: adoro aquelas gentes de facto ... somos nós, o mundo por lá !

bli: foi em grande sim ... mas nem todas o são ...

art: e que dia aquele do trio por ali em NY .. temos de repetir !

m&m: e se te convidasse... virias de facto ?

CL: o mano .. nunca te levou ?

vitor: tu ias adorar aquilo .. ias mesmo!

zé: queres quantas voltas de avanço ?

star: confessa que aquele dá de avanço ao teu Balthazar ... e que pena não termos feito aquele 2ª dia juntos ... 5ª acima, Broadway abaixo !!

pantalonas: mas ... está descritinha a localização do sitio amigo !! E quanto à corrida no CP ... you're in pal !!

danielle: tenho ... mas não só por NY ....