segunda-feira, 14 de janeiro de 2008

raio de sol !

Haverá em dias de guerra
Timidos raios de sol ?
Saberá o sujo louco
Não estar só na caminhada ?
Pensarão os deuses da terra
Sua obra inacabada ?
Saberão todos os velhos
Que não há dias iguais ?

E em que caminhos se perde
O momento das coisas
Em que dias terão espreitado
Nossos bocados de vida?
Será escuro o mundo cego
Ou de palavras sabidas ?
Será misterioso segredo
A força de vidas sofridas ?

E penso que mais queria
Ler e ter grito perfeito
Rezar ao deus do dia
Oração vinda do peito
Na guerra velha o louco via
Mãos de deuses sem jeito
E mudo silêncio vivia
Timido raio de sol perfeito

9 comentários:

The Wolf disse...

mas quando vem, como se costuma dizer, o raio, é para todos...
todos os que o souberem aproveitar...

Cati disse...

Enquanto houver um tímido raio de sol, esse chegará para nos aquecer um pouco esta vida de guerra, de escuro, de insanidade...

Aqui há sempre um bocadinho de sol. ;)

Obrigada pelo comentário ao meu post.. ;) Não tenho muito jeito para "escrevinhices" daquelas... mas gostava de ter!

Beijo!

Carlos Lopes disse...

Belas perguntas, red. Belas perguntas...

Mónica disse...

Bom dia!

Este poema é uma "Ode" ao Sol...não é?
Belo "grito" de guerra à insatisfação e injustiça...
Que o Sol brilhe ainda com mais força no coração de quem precise!
:)
Está lindo!
Beijinho

barb michelen disse...

Hello I just entered before I have to leave to the airport, it's been very nice to meet you, if you want here is the site I told you about where I type some stuff and make good money (I work from home): here it is

Viajante pelos Sentidos disse...

Aqui escreve-se sol... que quentinho, que bom...

Beijo viajante.

Daniela disse...

Deixo-te raios de sol... Não perfeitos, isso não! Porque se o fossem não seriam meus.

Deixo-te as imperfeições, a divinal humanidade, as guerras perdidas e ganhas... porque é disso que se fazem as vidas.

Beijos cheios de vida! :)

Tugafixe disse...

E o Sol acaba sempre por espreitar!

Abraço

KI disse...

Brilhante e incomum forma de escrever. Andamos sempre à caça de mais perguntas e esquecemos muito, demasiado até de dar respostas.