quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

destino ....

Ó vasto e déspota
A que chamam destino
Tão fácil escolher
Não lhe encontrar um caminho
E assim me resigno
Ao manto da multidão

E morre-te a alma
Ignoras a morte
Esquecida e sem calma
Essa gente sem sorte
Já nem te persignas
Em teus dias em vão

Desisto, morto e parado
Busco Deus em redor
Esse Deus imaginado
Em orações que sei de cor
E porque terei envergado
Manto vazio de calor

7 comentários:

KI disse...

Fantástico!!

Lazy Cat disse...

Manto de multidão vazio de calor, afagas pouco mais que nada em meu redor,
não encontro caminhos, apenas estertor,
nem Deus nem destino, nem luz nem cor.


What a way to come back dear!

Carlos Lopes disse...

I'm flabbergasted!!!

Tugafixe disse...

E pronto... voltei a gostar de ler!

Abraço

Maria Manuela (M&M) disse...

Já tinha saudadinhas de te ler...

bjo

Viajante pelos Sentidos disse...

...

No words for such a good moment.

...

Beijo viajante...

Ju disse...

Fiquei contente em ter aqui o meu sofá, poder fumar e tomar o meu café, arrisco-me a dizer que são dos melhores prazeres da vida.
Gosto muito de te ler.
bjo