quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

sombra ... minha sombra !

Saí correndo, dia de chuva e tormentos vários, de pessoas paradas, pessoas choradas, caminho de saltos por cima de coisa alguma, varria o vento os momentos guardados, nos bolsos guardava a velha fotografia que me prendia aos caminhos, doce momento a preto e branco num silêncio de melodias várias, e corria e corria, ânsia de não perder, lugar e momento, a vida que corria a acabar, as trocas e voltas de um labirinto feito relógio de vinte e quatro horas, por onde irias tempo se fosses mar? ... E os passos que tropeçavam em almas de nada e rostos de tristes sorrisos, e cansado que não podia estar, não sem antes chegar, não sem antes parar e te gritar a pessoa que sabia seres, uma amiga das que não se perdem sem se ter, disse-to tantas vezes à minha bruta maneira, naquele dia corri e esbaforido te pedi. Não saias pois daí ... fazes falta em vida minha, sabias ?

8 comentários:

Maria Manuela (M&M) disse...

Há descobertas que sendo tardias não têm de ser irremediáveis...
bj

Cati disse...

Há sempre alguém que nos faz falta... saudade.

Seria uma boa banda sonora para estas belas palavras, don' u think?

Great, as usual...
Great big kiss.

Daniela disse...

É mais simples escrever 'fazes-me falta?' do que dizê-lo... não é?

redjan disse...

m&m, cati n danielle: sentir a sombra, tê-la e vivê-la sob que forma seja .... pode de facto ser ... diferente !

TugaFixe disse...

E quando a resposta é igual?

Gosto destes cafés.

Lazy Cat disse...

Por onde iria o tempo se fosse mar?
Para perto e longe de ti, num eterno recomeçar....


Beijo.

Mónica disse...

Não há longe nem distância...
Não se vê o ar que se respira...mas sente-se...
Por vezes um não estar é um estar sempre,

Beijo

The Wolf disse...

sentir falta,
de tudos,
de nadas,
é sentir...

ainda se pode fumar por aqui?