terça-feira, 30 de outubro de 2007

escrever !

Olho em silêncio para aquela figura que em tempos me ensinou os sabores. De vida e saudade, de tempos que desaparecem dentro de baús em sótão escondidos, da segurança do seu colo que de tudo parecia saber proteger-me. Descobrira-lhe o secreto caminho para um coração que em tempos tratara de fugir para lado nenhum . Guardo as ceias de Natal como o momento em que saía do seu mudo lugar e com uma lágrima que não se via me levava consigo. Por aquele velhinho de sempre sairia até ao fim do mundo, procurar-lhe-ia as mãos e os abraços que um dia quisera para mim.
Baloiça a cadeira num vaivém sem destino, repetido, num desafio às leis do equilibrio das gentes esquecidas, mortas de há tanto e que por ali conviviam e sussurravam entre segredos. Nunca me deixara partir aquele olhar, por onde tanto busquei o sossego dos mágicos bocados de criança. Sabia desde manhã cedo que aquele seria o ultimo dia, não foi preciso nada mais do que sentir ao acordar que aquele não era já o sitio de um gasto coração. Aproximei-me da sua cadeira, sem choros, penas ou tristezas , munido apenas de um lápis e papel que lhe deixei ao colo. Olhou-me de despedida, como se inquirindo o porquê de mim ali:
- Leva Avô, pode ser que um dia me queiras escrever !

9 comentários:

Carlos Lopes disse...

Que texto bonito! Que final maravilhoso! É de uma elegância infinita. Muito bom. Valeu a pena o desafio.

redjan disse...

geeeeeeee... carlos, valeu a pena o desafio mesmo!

The Wolf disse...

este texto bateu-me com força bem dentro!

nem sei bem porque, ainda hoje pensei neles, e cheguei mesmo a pensar em escrever algo para eles... há coisas do c......

aqui ficam as saudades de um neto que nunca vos esqueceu....

bafata disse...

... do caralho ias a dizer Wolf ! E bem ... Ainda hoje vivo certos momentos ! De vida e de neto ! ;-)

Cati disse...

A saudade e o amor... haverá sentimentos mais inspiradores?!?
Este texto é simplesmente LINDO...
Como eu costumo dizer, tudo o que sai de dentro do coração tem mais sentido, é mais bonito.

Adorei, mesmo, lembrou-me dos meus avós que já partiram... e dos que ainda tenho e quero preservar pelo tempo que ainda cá estiverem!

Um grande beijo

ARTUR GUILHERME CARVALHO disse...

Texto fantástico, a merecer enquadramento fílmico. Eu já sabia, agora o C.Lopes é mesmo batido nestas artes ( é a vida dele). E se o chaval diz, podes ter a certeza que a tua qualidade passou de facto consumado a realidade comprovada. Falta o conto ou a short...pensa nisso. FIXIIII!!
ARTUR

redjan disse...

art, sof & all the others<. foda-se, deixam-me sem palavras!!!

Cati disse...

Andas mesmo baralhadinho... LOL Bom feriado!!!

redjan disse...

desbaralhando: cati ... tnkx